Faça de sua ficha clínica um diferencial

Hoje quero falar sobre um assunto aparentemente muito simples: a ficha clínica.

Por detrás desse simples papel (ainda que a ficha clínica seja feita por computador), há muita coisa a ser dita ou muita coisa a ser aproveitada… e que provavelmente não está sendo.

Ao contrário do que deve estar imaginando, não vou falar da obrigação e da necessidade de se manter as corretas anotações dos procedimentos por motivos odonto-legais. Também não vou ficar martelando o fato de que precisa guardar as fichas por um longo tempo (até 20 anos, segundo a maioria dos pareceres sobre o assunto). Tudo isso está exaustivamente escrito e falado por todos os professores de odontologia legal do Brasil, e do mundo. Mantê-las com as anotações e registros de procedimentos técnicos em ordem é um dever de cada um de nós, cirurgiões-dentistas. Mas meu objetivo é falar sobre outras possibilidades na utilização da ficha clínica e de alguns cuidados que quero sugerir que tenha. Em minha opinião, toda ficha deveria conter algumas informações fundamentais sobre o paciente/cliente, visando o melhor relacionamento com ele durante o tratamento ou no pós-venda. A primeira destas sugestões é a de manter um campo específico na ficha onde ser